English

Español

Français

Um negro sempre será um negro. Chama-se pardo, cafuzo, mulato ou moreno-claro. Um negro sempre será um negro, na luta que assume pelo direito ao emprego e contra a discriminação no trabalho. Um negro sempre será um negro. Afirmando-se como ser humano na luta pela vida. 

Jorge Posada

Maria Aparecida Moura é  professora titular da Universidade Federal de Minas Gerais.

Possui graduação em Biblioteconomia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1993), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (1996), doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2002) e Pós-doutorado em Semiótica Cognitiva e Novas Mídias pela Maison de Sciences de l’ Homme(2006-2007).

Foi Coordenadora de Políticas de inclusão Informacional da UFMG (2010-2014)(CPINFO/UFMG). Foi diretora de governança informacional da UFMG (DGI/UFMG) sendo a autoridade responsável pelo cumprimento da LAI ( Lei de Acesso à Informação) e pela Ouvidoria Geral da UFMG ( 2014-2018).

Coordena o Núcleo de Estudos das Mediações e Usos Sociais dos Saberes e Informações em Ambientes Digitais (NEMUSAD). Coordena o Museu virtual – Saberes Plurais e o Laboratório de Culturas e Humanidades digitais (LabCult/PPGCI/UFMG)

Atua nos programas de pós-graduação em Comunicação Social (PPGCOM/UFMG) e Ciência da Informação (PPGCI/UFMG) como membro permanente.

Integra a Rede de Direitos Humanos da UFMG.

Tem experiência na área de Ciência da Informação, Comunicação e Educação, com ênfase em tecnologias da informação e na produção de conteúdos relacionados aos direitos humanos e à preservação, registro e difusão da cultura popular e dos saberes tradicionais brasileiros.

Seu escopo e interesses de estudos abrange:

  • Semiótica aplicada aos estudos informacionais e à comunicação social,

  • Organização da informação: fundamentos teóricos, mediações e aplicações,

  • Análise de redes sociais (ARS) aplicadas aos estudos Informacionais ,

  • Linguagem, gêneros digitais e formação discursiva,

  • Memória, identidade e cultura popular,

  • Interseccionalidades, geopolítica do conhecimento e racismo epistêmico.