EMENTA:

Linguagens de Indexação: conceito, tipologia. Pré e pós-coordenação. Listas de cabeçalhos de assunto. Taxonomias. Tesauros. Interfaces conceituais: mapas conceituais e geometrias hiperbólicas, ontologias, folksonomias.

PROGRAMA:

1. Linguagem e classificação – aspectos conceituais

2. Linguagem natural

a) Contexto, histórico e limitações
b) Folksonomias e Sistemas de Classificação Distribuída

3. Controle de vocabulário através de Linguagens de Indexação

a) Contexto, histórico e limitações
b) Linguagem de Indexação

• Conceitos e princípios fundamentais
• Listas de cabeçalhos de assunto
• Tesauros

4.Linguagens de indexação e interoperabilidade

5.Interfaces conceituais

a) Taxonomia
b) Mapas conceituais – convencionais e hiperbólicos
c) Ontologias

6. A organização da informação em ambientes digitais colaborativos

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

BIOLCHINI, J.C.A. Semântica e cognição em base de conhecimento: do vocabulário controlado à ontologia. DataGramaZero: Revista de Ciência da Informação, v.2, n.5,2001. Disponível em: http://www.dgzero.org/out01/Art_02.htm. Acesso em: 15/01/2005.

CAFÉ, Lígia. Representação do conhecimento/ indexação / teoria da classificação. Revista de Biblioteconomia de Brasília, Brasília – DF,v. 23 / 24, n. 3, p. 397-402, 1999 / 2000.

CAMPOS, Maria Luiza de A.; GOMES, Hagar Espanha. Taxonomia e classificação: o princípio de categorização. DataGramaZero – Revista de Ciência da Informação, v. 9, n. 4, ago. 2008. Disponível em: <http://www.datagramazero.org.br/ago08/Art_01.htm>. Acesso em: jun. 2009.

CAMPOS, Maria Luiza de Almeida. Linguagem documentária: teorias que fundamentam sua elaboração. Niterói: Eduff, 2001.

CAMPOS, Maria Luiza de Almeida. Modelização de Domínios de Conhecimento: uma investigação de princípios fundamentais. Brasília, . Ci. Inf, v.33, N.1, 2004. http://www.ibict.br/cionline/viewarticle.php?id=77&layout=html.

CATARINO, Maria Elisabete; BAPTISTA, Ana Alice. Folksonomia: um novo conceito para a organização dos recursos digitais na Web. DataGramaZero, v.8, n.3, jun./07. Disponível em: http://www.dgz.org.br/jun07/Art_04.html .

CERVANTES, Brígida Maria Nogueira (Org). Horizontes da organização da informação e do conhecimento. Londrina: Eduel, 2012.

CINTRA, Anna Maria Marques et al. Para entender as linguagens documentárias. São Paulo: Polis: APB, 1994. 72 p.

DAHLBERG, Ingetraud. Fundamentos teóricos conceituais da classificação. Rev. Bibliotecon. Brasília, Brasília, v. 6, n.1, p.9-21, jan./jun. 1978.

ECO, Umberto. Os problemas filosóficos do signo. In: _______. O signo. Lisboa: Editorial presença, 1973. p.97-147.

FUJITA, Mariângela S. Lopes.A leitura documentária na perspectiva de suas variáveis: leitor-texto-contexto. DataGramaZero, v.5, n.4, ago. 2004. Available[http://www.dgzero.org/]

GOMES, Hagar Espanha; MARINHO, Marcilio Teixeira. Introdução ao Estudo do Cabeçalho de Assunto. Disponível em : http://www.ndc.uff.br/portaldereferencia.

GOMEZ, Maria Nélida González de. A representação do conhecimento e o conhecimento da representação algumas questões epistemológicas. Ci Inf. Brasília, v. 22, n. 3, p. 217-222. set./ dez. 1993.

GUINCHAT, C., MENOU, M. Introdução geral às ciências e técnicas da informação e documentação. Trad. Miriam Vieira da Cunha. Brasília: IBICT, 1994. 540 p.

LANCASTER, F. W. Indexação e resumo; teoria e prática. Brasília: Briquet de Lemos/Livros, 1993. 347p.

LARA, M. L. G. ; TÁLAMO, M. F. G. M. . Informação e produção de sentido: a integração da categoria recepção no processo documentário-informacional. Rumores (USP), v. 1, p. 2, 2008. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/51106/55176

LARA, Marilda Lopes Ginez de. Linguagens documentárias, instrumentos de mediação e comunicação. Rev. Bras. Bibliotecon e Doc., São Paulo, v.26, n.1/2, p.72-80, jan./jun. 1993.

MOREIRA, A. Uso de ontologia em sistemas de informação computacional. perspectivas em Ciência da Informação. Janeiro/Junho. p. 49-60. 2002.

NOVELINO, Maria Salet Ferreira. Instrumentos e metodologias de representação da informação. Inf. Inf. Londrina, v.1, n.2, p.37-45, jul./dez.1996.

PICKLER, Maria Elisa Valentim. Web semântica: ontologias como ferramentas de representação do conhecimento. Perspect. ciênc. inf. 2007, vol.12, n.1, p. 65-83. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pci/v12n1/05.pdf. Acesso em: 15 jun. 2009.

SALDANHA, Gustavo Silva, GRACIOSO, Luciana de Souza. Ciência da Informação e Filosofia da Linguagem: da pragmática informacional à web pragmática. Araraquara: Junqueira & Marins Editores, 2011.

SCHIESSL, Marcelo. Ontologia: o termo e a idéia. Enc. Bibli., Florianópolis, n. 24, p.172-181, 2007.

SMIT, J. W. Análise documentária: a análise da síntese. Brasília: IBICT, 1987.

VICKERY, B. C. Ontologies. Journal of Information Science, v. 23, n. 4, p. 277-286, 1997.

MOURA, M. A. Ciência da Informação e semiótica: conexão de saberes. Encontros Bibli (UFSC), v. 2, p. 1-17, 2006.

MOURA, M. A. . Signi-fica ou signi-vai? As teorias da significação no campo da Ciência da Informação.. In: REIS, Alcenir Soares; CABRAL, Ana Maria. (Org.). Informação, cultura e sociedade: interlocuções e perspectivas.. Belo Horizonte: Novatus, 2007, v. , p. 61-79.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

AUSTIN, Derek. Diretrizes para o estabelecimento e desenvolvimento de tesauros monilingues. Trad. de Bianca Amaro de Melo. Brasília: IBICT/Senai, 1993. 86p.

BOCCATO, Vera Regina Casari; FUJITA, Mariângela Spotti Lopes. Estudos de avaliação quantitativa e qualitativa de linguagens documentárias: uma síntese bibliográfica. Perspectivas em Ciência da Informação: Belo Horizonte, v. 11, n.2, maio/ago. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pci/v11n2/v11n2a10.pdf.

CAMPOS, Maria Luiza de Almeida, GOMES, Hagar Espanha, MARTINS, Alissandra Evangelista et al. Estudo comparativo de softwares de construção de tesauros. Perspectivas em Ciência da Informação: Belo Horizonte, v. 11, n. 1, jan./abr. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext& pid=S1413-99362006000100006&lng=en&nrm=iso&tlng=PT

CARNEIRO, M. V. Diretrizes para uma política de indexação. R. Esc. Bibliotecon. UFMG, v.14, n.2, p. 221-241, set. 1985.

CAVALCANTI, Cordélia R. Indexação & Tesauro; metodologia & técnica. Brasília: Associação de Bibliotecarios do D. Federal, 1978. 89p.

CESARINO, M.A.N., PINTO, M.C.M.F. Cabeçalho de assunto como linguagem de indexação. Rev. Esc. Bibliotecon. da UFMG, v.7, n.2, p.268-88, set. 1978.

DAHLBERG, I. O futuro das linguagens de indexação. Disponível em: <http://www. conexaorio.com>. Acesso em: 28 nov. 2006.

FEITOSA, Ailton. Organização da informação na Web : das tags à web semântica. Brasília : Thesaurus, 2006. 131p.

FUJITA, Mariângela S. Lopes. A estrutura de categorias do tesauro: modelos de elaboração. Cadernos PFC, Marília, v.7, n. ½ , 1998. p.107-119.

GOMES, Hagar Espanha, CAMPOS, Maria Luiza de Almeida. Tesauro e normalização terminológica: o termo como base para intercâmbio de informações. DataGramaZero, v.5 n.6 dez. 2004. Disponível em: http://www.dgz.org.br.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, Maria Nélida. A informação: dos estoques às redes. Ciência da Informação, Brasília – DF, v. 24, n. 1, p.77-83, jan. / abr. 1995.

HUTCHINS, W. J. Languages of indexing and classification: a linguistic study of structures and functions. Herts: Peter Peregrinus, 1975. (Library and Information Studies, 3).

MOURA, M. A.; SILVA, A. P.; AMORIM, V. R. de. A concepção e o uso das linguagens de indexação face às contribuições da semiótica e da semiologia. Informação & Sociedade: Estudos. Disponível em: http://www.informacaoesociedade.ufpb.br>. Acesso em: 8 nov. 2006.

NAKAYAMA, H. Tradução e adaptação de tesauros. CI, Brasília, v. 15, n.1, p. 15-25, jan./jun. 1986.

NAVARRO, Sandrelei. Interface lingüística e indexação: revisão de literatura. R. Bibliotecon. e Doc. São Paulo, v.21, n.1/2, p.46-62, jan.jun. 1988.

NORUZI, Alireza. Folksonomias: Why do we need controlled vocabulary? E- prints in Library and Information science, p.7, 2006. Disponível em: <http://eprints.rclis.org/archive/ 00011286/>. Acesso em: 28 nov. 2007.

ORTEGA, C. D. Fundamentos da organização da informação frente à produção de documentos. Transinformação, v. 20, n. 1, 2008, p. 7-15. Disponível em:http://revistas.puc-campinas.edu.br/transinfo/viewissue.php?id=18. Acesso em:12 mar. 2011.

TEIXEIRA, C.M. de S.; SCHIEL, V. A Internet e seu impacto nos processos de recuperação da informação. Ciência da Informação, Brasília – DF, v. 32, n. 3, 2003. Disponível em <http://www.ibict.br>. Acesso em: 13 nov. 2006.

TRANT, Jennifer. Studying social tagging and folksonomy: a review and framework. Journal of digital information. V. 10, n. 1. 2009.

TRISTÃO, A. M.; FACHIN, G. R. B.; ALARCON, O. E. Sistemas de classificação facetada e tesauros: instrumentos para organização do conhecimento. Ciência da Informação, Brasília – DF, v. 33, n. 2, p. 161-171, maio / ago. 2004.